Autoconhecimento: tudo o que você precisa saber para se desenvolver já

De 0 a 10, o quanto você considera que se conhece?

por Claudia Lisboa

Pare e pense sobre essa pergunta, mas seja franco consigo mesmo ao responder, pois só você saberá a resposta.

Pode melhorar essa nota? Eu penso que sempre há espaço para ampliarmos nosso autoconhecimento, pois estamos em constante mudança, e isso acontece mesmo que não queiramos, pois o fluxo dos acontecimentos externos acaba por fazer com que mudemos nossa perspectiva das coisas, pessoas e consequentemente de nós mesmos.

O autoconhecimento é um processo de tomada de consciência das nossas características individuais, trata-se da da gestão de si mesmo e pressupõe um confronto entre o que percebemos de nós mesmos e a percepção das outras pessoas. E os benefícios de focar em autoconhecimento são inúmeros, como resiliência mediante as adversidades, menos confrontos com outras pessoas, menos estresse, decisões de alta qualidade, mais saúde física e mental.

Para que você possa focar no seu processo de autoconhecimento e garantir os benefícios que acabei de descrever é preciso que entenda que isso envolve 4 dimensões, que são: física, intelectual, emocional e espiritual.

Para ajudá-lo a se aprofundar nessa grande viagem que é o autoconhecimento, gostaria de apresentar de forma breve cada uma das dimensões, até para que você entenda como é importante destinar energia, tempo e práticas em cada uma delas para obter sucesso na vida.

Dimensão Física

Como você anda cuidado do seu corpo, sua alimentação, seu sono?

Tudo termina nessa dimensão: a física. Sentimos no corpo o que já estava nos perturbando nas outras dimensões e não demos a atenção devida. Já ouviu aquela frase: o corpo fala!

Então aqui vão algumas dicas básicas, mas necessárias para que você passe a dar atenção melhor a essa dimensão:

1.

Alimente-se de forma regular e com comidas saudáveis. Somos aquilo que comemos! Os alimentos produzem curas ou doenças a depender do que você está ingerindo;

2.



Atenção para as pequenas dores no corpo, pois elas começam pequenas e tornam-se grandes se não dermos a atenção no tempo devido. Não é normal sentir dor. Nosso corpo é uma máquina perfeita! Ao primeiro sinal de dor e incômodo, averigue o que está acontecendo. Vá ao médico regularmente para fazer seus exames preventivos;

3.

Descanse, respeite seu corpo. Durma as horas necessárias para que reabasteça seu organismo de energia. Sono de baixa qualidade provoca ansiedade, falta de foco e consequentemente a criatividade desaparece;

4.





Escolha algum tipo de exercício físico que lhe dê prazer, e o pratique com regularidade. Coloque a sua energia para circular.

Pessoas que tem essa dimensão desenvolvida, sabem o que faz mal para elas, entendem que tipo de alimento podem ou não comer, sabem equilibrar a rotina de exercícios com descansos sem nenhum tipo de exagero, amam seu corpo não apenas no sentido estético, mas no aspecto de respeitar seus próprios limites e cuidar da saúde de forma disciplinada para se manter saudável.

Dimensão Intelectual


O quanto você destina energia para aprender coisas novas e potencializar seus pontos fortes?

Aprender novas habilidades garante um cérebro ativo e novo sabia? Neurocientistas já comprovaram que pessoas que são intelectualmente ativas tem uma maior neuroplasticidade, ou seja, uma maior capacidade de ativar mais área do cérebro fazendo com que ele se regenere em caso de lesões graves e/ou permaneça ativo e lúcido na velhice.

Vamos as dicas básicas para cuidar melhor dessa dimensão:

1.

Estude com frequência, invista em leitura, realize um processo de assessment, processo de coaching, mentoria, faça cursos de reciclagem e tenha como meta aprender algo novo;

2.

Treine sua percepção por meio de viagens e conhecendo outras pessoas para ampliar sua capacidade de análise. Esteja aberto ao novo e as novas ideias;

3.

Quando aprender algo novo, ensine outra pessoa. Está comprovado que quem ensina retém duas vezes a informação e se torna mais hábil.

Pessoas que possuem essa dimensão bem desenvolvida naturalmente são curiosas e muito abertas ao novo, e consequentemente tem mais oportunidades de carreira.

Dimensão Emocional

Você controla suas emoções ou elas te controlam? O quanto você consegue empatizar com o outro? Quais são suas aptidões sociais? O que te motiva?

E nessa dimensão que começa nossas doenças físicas e mentais, você sabia? Nossos comportamentos nascem nas emoções que viram sentimentos e na sequência uma ação e/ou reação.

Seguem as dicas para que você trabalhe melhor com seu emocional:

1.

Invista em cursos que amplie suas competências socioemocionais – soft

2.

Peça feedback com frequência tanto no seu trabalho quanto na sua vida pessoal e também ofereça feedback para as pessoas;

3.

Faça trabalho voluntário e/ou se dedique a uma causa;

Pessoas que tem essa dimensão desenvolvida possuem uma elevada inteligência emocional, ou seja, reconhecem e avaliam os seus próprios sentimentos e os dos outros, assim como a capacidade de lidar com eles.

Dimensão Espiritual

Você conhece os seus valores? Qual o seu propósito de vida? Você trabalha com aquilo que ama? O quanto você considera que está conectado com você mesmo? Qual o seu legado?

E nessa dimensão que trabalhamos com a nossa energia vital, nosso eu superior e ela é a dimensão que conecta todas as outras. Nada tem haver com religiosidade e sim com dar significado a existência para que possamos nos movermos para frente.

Vamos as dicas para potencializar essa dimensão:

1.

Estabeleça metas claras e elabore seu plano, levando em consideração todas as áreas da vida: pessoal, profissional, qualidade de vida e relacionamentos;

2.

Peça feedback com frequência tanto no seu trabalho quanto na sua vida pessoal e também ofereça feedback para as pessoas;

3.

Inclua de forma disciplinada técnicas e práticas de autoconhecimento no seu dia a dia.

O indicador mais claro de que uma pessoa tem essa dimensão desenvolvida é perceber o quão ela é propositada, cultiva a paz em seus relacionamentos, é fiel aos seus valores, feliz, otimista e produtiva.

 

E para finalizar, gostaria de convidar você a se auto avaliar em cada uma dessas dimensões. Como você se percebe em cada uma delas de 0 a 10? Quanto tempo está dedicando a trabalhar essas dimensões?

 

Lembre-se que o autoconhecimento é um processo que tem começo, mas não tem um fim. Imagine que você é um software em versão BETA (inacabado) e que sempre você terá que ao longo da vida programar melhorias constantes para que o seu software torne-se cada vez mais eficiente.

 

Pratique! Pratique! Pratique sempre seu autoconhecimento!

Artigo escrito por Claudia Lisboa, Sócia e Diretora de Conteúdo da Step U e Especialista em Soft Skills

Conheça nossos Autores

.
Claudia Lisboa
Atua há 25 anos em Gestão de Pessoas e nos últimos 10 anos ocupou cargos executivos. Consultora e especialista em desenvolvimento e execução de programas de educação corporativa, assessment, modelo de competências e gestão de pessoas.
Claudia LisboaFundadora e Diretora de Conteúdo na Step U

Imprimir