Será você um Líder Tóxico?

Por Lorena Lacerda

.

Sabemos que liderar é uma habilidade que se aprende, apesar de muitos nascerem com traços de personalidade que podem facilitar o exercício da liderança.

Sabemos que liderar é uma habilidade que se aprende, apesar de muitos nascerem com traços de personalidade que podem facilitar o exercício da liderança. O problema é que, da mesma forma, muitos outros (e, para mim, a grande maioria) nascem com reações que dificultam o exercício da liderança e podem ser percebidos no ambiente organizacional como “tóxicos”. Ser tóxico significa que faz mal a um determinado contexto ou ambiente. Então, um líder tóxico impacta negativamente para a performance geral da organização, porque tem uma influência direta na performance dos indivíduos de sua equipe. Quero aqui destacar as cinco principais características que representam traços comportamentais da liderança tóxica:
1)Exceder no nível de criticidade 

2)Usar da ameaça como “fator motivacional”

3)Não fazer alinhamento com liderados 
4)Instigar o conflito na equipe

5) Não dar Feedback

Vamos então entender cada uma delas no ambiente organizacional.

1

Excesso de criticidade

O culto à alta performance faz com que a maioria de nós acredite que ser “perfeccionista” é uma qualidade profissional. Percebo isso nas entrevistas de emprego, quando muitos candidatos batem no peito e dizem ser este um ponto forte que possuem. Ocorre que, na liderança, o perfeccionismo pode ter efeitos muito negativos, que acabam por anular os positivos que porventura aparecessem. Com isso, por exemplo, podem avaliar o trabalho da equipe como ruim ou regular simplesmente porque não estava perfeito, ficando cego ao esforço e a tudo que foi bem realizado, colocando foco no que faltou e gerando na equipe uma sensação de que nunca conseguirão agradar. Com isso, deixam pouco a pouco de se esforçar porque não acreditam que valerá a pena. Esta característica também pode fazer com que a equipe comece a esconder erros, temerosa da crítica que deverá vir do Líder.

2

Usar da ameaça como “fator motivacional”

sabemos que o medo é um forte fator motivacional, porém que não sustenta desempenho profissional de longo prazo. Porém muitos líderes usam dessa estratégia na ilusão de que, assim, manterá a equipe altamente comprometida com os desafios propostos. Dizer coisas do tipo “se não entregarmos este projeto no prazo seremos advertidos pela Diretoria” pode parecer alto inocente (e até ser verdadeiro), mas, com o tempo e repetido uso vai fazer com que a equipe não tenha mais condições emocionais para trabalhar ou, ainda, pode fazer com que percam totalmente a credibilidade na liderança, entendendo que possa estar sempre “blefando”.

3

Não fazer alinhamentos com liderados

Num ambiente de negócios de tantas mudanças, com tantos fatores variáveis impactando nos planejamentos, é fundamental que o alinhamento seja praticamente diário acerca da forma e prioridade de trabalho. Dedicar tempo (e paciência) para garantir que cada membro da equipe compreenda claramente as expectativas da empresa quanto ao seu trabalho promove o sentimento de calma e segurança.

4

Instigar o conflito na equipe

Você pode estar me perguntando agora: “Mas que líder é esse que quer conflitos na equipe?”. Claro que a maioria dos líderes não tem consciência deste comportamento. Mas, por exemplo, ao reclamarem de um liderado para outro, ou quando decidem “esclarecer as coisas” em reunião com a equipe, expondo uns aos outros, o que irá conseguir é criar problemas nos relacionamentos entre liderados, gerando conflitos.

5

Não dar Feedback.

Infelizmente este hábito é o da enorme maioria dos líderes, que não prioriza este importante tempo com a equipe, geralmente devido à quantidade de outros compromissos também importantes que possuem e que, por falta de uma visão mais alinhada à importância do Feedback para a performance e desenvolvimento dos liderados, acabam tomando todo tempo disponível na agenda dos Líderes. 

Vejam que todas as 5 características acima têm um impacto enorme na cultura e no clima organizacional. Portanto, avalie com humildade, reflita e reconheça caso haja em seu estilo algum dos comportamentos acima. Assim como você pode impactar negativamente sua equipe, também pode impactar positivamente. É uma questão de consciência, escolha e disciplina para mudar, saindo do tóxico para o frutífero. Que este seja seu legado de valor: plantar liderança de verdade e colher performance e admiração por suas contribuições excepcionais como Líder.

Conheça nossos Autores

.
Lorena Lacerda
Master Coach de Executivos, de Times e Mentora de Gestão há mais de 22 anos, com mais de 2.600 horas de atendimento, Coach adjunta do CCL (EUA). PCC - Professional Coach Certified pela ICF – Federação Internacional de Coaches, desde 2009. Já atuou como Instrutora da Formação Internacional de Coaching do ICI - Integrated Coaching Institute®️. Foi membro da Diretoria da ICF Brasil por 6 anos e como Vice-Presidente por 3 anos.
Lorena LacerdaMaster Coach de Executivos, Mentora de Gestão e CEO do Grupo Valure

Imprimir